terça-feira, 11 de junho de 2013

O tempo da diálise

O tempo da diálise

Faço diálise 3 vezes por semana, 4 horas por dia. Estas 4 horas parecem infinitas, olho para o relógio e, cada segundo parece uma eternidade.
Eu faço diálise às 6H da manhã, sou do primeiro turno, por assim dizer. Quando chego, as assistentes do centro estão a ligar as máquinas.
Sento-me na poltrona e tento relaxar, o que nunca consigo, porque aí começo a pensar como irá correr o tratamento.
As pessoas que estão de fora vêem as coisas de outra maneira e, deverão estar a dizer que não devia pensar assim, (eu até sei o porquê de estarem-me a dizer isso) mas é  muito difícil desviarmos os pensamentos para outro lado e/ou para outra coisa, quem faz o mesmo tratamento sabe o que estou a falar.
Já sentada na poltrona, ligam-me a máquina e, assim, tento ficar o mais confortável possível, tapam-me com uma manta e lá vou eu para mais uma batalha da minha vida. O meu sangue corre, parecendo que está a fazer uma maratona e, eu ali, à espera que ele chegue à meta.
Se é daqueles dias que o tratamento corre bem, ainda consigo adormecer e, aí é tão bom, não só porque tudo correu bem, mas também porque consigo descansar e relaxar e, assim, parece que o tempo voa. Quando acordo, estou no fim, ou quase. Aí agradeço a Deus, por o tratamento ter sido um sucesso.
Tenho outros dias, em que, até parece que está tudo a correr bem, mas quando estou quase a terminar aparecem-me cãibras. Começam nos pés, a seguir nas pernas e depois para o estômago. Já eu estou desesperada, gritando com dores, porque já não aguento mais. As assistentes do centro fazem de tudo para me aliviar as cãibras, massajando, mas não resulta, então, têm que desligar a máquina e dar por terminado o tratamento.
Tenho dias ainda piores, começando logo de início a correr mal, onde levo o tratamento todo a gritar com dores, elas vão massajando e desligando a máquina de vez em quando para me aliviar as dores, mas mesmo assim eu tenho que aguentar o maior tempo que puder. E, mais uma vez, não consigo completar o tratamento. 
Estas 4 horas que eu passo no tratamento são as piores da minha vida, são horas de tormenta, dor, sofrimento.
Eu agradeço a Deus e ao ser humano por ter inventado esta máquina, pois permite, a mim e às outras pessoas na mesma situação, estarmos vivas.